A FAVOR DE QUEREMOS GALEGO
06/04/2010

"A sección da plataforma 'Queremos Galego' en Bergantiños-Costa da Morte está en pé de guerra co alcalde de Camariñas, Manuel Valeriano Alonso de León. O conflito comezou o pasado xoves, cando tres axentes da Policía Local prohibiron que membros do colectivo a prol da lingua recollesen sinaturas a poucos metros da exposición do encaixe de Camariñas. (...).

Cando levaban uns minutos coa mesa montada, os axentes locais de Camariñas achegáronse ao lugar e explicáronlle que tiñan que deixar de recoller sinaturas porque non o permitía 'Pichurri', alcume polo que é coñecido popularmente o rexedor. Segundo explica Camiño, a actitude dos policías foi “amábel” e incluso mostraron verbalmente o seu apoio á campaña.", informa Vieiros .

Ler o artigo completo


RESOLUCION TRIBUNAL EUROPEU DD.HH.
05/04/2010

En Resolución dada a coñecer o pasado 12 de Xaneiro, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) condenou o sistema de rexisto instaurado pola lexislación anti-terrorista do Reino Unido do ano 2000, que permite os axentes das forzas policiais dar o alto e rexistar na via pública calquer persoa (corpo, roupa e obxectos privados) sen necesidade de mediaren suspeitas fundadas de infracción.
O Tribunal coñeceu de unha causa sobre dous manifestantes, Kevin Gillan e Pennie Quinton, que denunciaran ter sido detidos e rexistados por axentes da polícia británica o 9 de Setembro de 2003, cando tentavan unir-se à manifestación que se celebrava nas proximidades da feira anual de armamento.  
No seu veredicto, o TEDH estima que o uso dos poderes coercitivos previstos na lexislación anti-terrorista británica constitui unha flagrante inxeréncia no direito ao respeito à intimidade. O carácter público do rexisto, que implica a moléstia ocasionada polo feito de ver informacións privadas expostas à vista de outras persoas, pode ser ainda mais grave cando se engade un elemento de humillación e vergoña.
Por outra parte, os amplos poderes que a polícia pode aplicar a discreción en virtude da lexislación anti-terrorista non están acompañados de garantias xurídicas suficientes que oferezan a necesária protección contra inxeréncias arbitrárias. Os axentes non teñen que demonstrar a existéncia de unha dúvida razoável que poda inducir a suspeitar que a persoa que se submete a detención e rexisto cometeu ou abriga a intención de cometer algun tipo de delito. Para xustificar o rexisto é suficiente alegar ter tido " un presentimento" ou ter actuado por "intuición profisional".
Baseando-se en "indícios estatísticos e de outra índole" que obran no seu poder, a Corte alerta asi mesmo do risco de que esas prerrogativas sexan utilizadas de forma discriminatória por canto, se ben neste caso non se tratava de persoas negras ou asiáticas, as estatísticas indican que estes poderes son exercidos de forma desproporcionada contra estas categorias de persoas e existe o perigo de que poderes definidos de forma tan vaga sexan utilizados tamén de forma abusiva contra manifestantes ou outros opositores, o que violaria os artigos 10 e/ou 11 da  Convención.

En Resolución dada a coñecer o pasado 12 de Xaneiro, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) condenou o sistema de rexisto instaurado pola lexislación anti-terrorista do Reino Unido do ano 2000, que permite os axentes das forzas policiais dar o alto e rexistar na via pública calquer persoa (corpo, roupa e obxectos privados) sen necesidade de mediaren suspeitas fundadas de infracción.

O Tribunal coñeceu de unha causa sobre dous manifestantes, Kevin Gillan e Pennie Quinton, que denunciaran ter sido detidos e rexistados por axentes da polícia británica o 9 de Setembro de 2003, cando tentavan unir-se à manifestación que se celebrava nas proximidades da feira anual de armamento.  

No seu veredicto, o TEDH estima que o uso dos poderes coercitivos previstos na lexislación anti-terrorista británica constitui unha flagrante inxeréncia no direito ao respeito à intimidade. O carácter público do rexisto, que implica a moléstia ocasionada polo feito de ver informacións privadas expostas à vista de outras persoas, pode ser ainda mais grave cando se engade un elemento de humillación e vergoña.

Por outra parte, os amplos poderes que a polícia pode aplicar a discreción en virtude da lexislación anti-terrorista non están acompañados de garantias xurídicas suficientes que oferezan a necesária protección contra inxeréncias arbitrárias. Os axentes non teñen que demonstrar a existéncia de unha dúvida razoável que poda inducir a suspeitar que a persoa que se submete a detención e rexisto cometeu ou abriga a intención de cometer algun tipo de delito. Para xustificar o rexisto é suficiente alegar ter tido " un presentimento" ou ter actuado por "intuición profisional".

Baseando-se en "indícios estatísticos e de outra índole" que obran no seu poder, a Corte alerta asi mesmo do risco de que esas prerrogativas sexan utilizadas de forma discriminatória por canto, se ben neste caso non se tratava de persoas negras ou asiáticas, as estatísticas indican que estes poderes son exercidos de forma desproporcionada contra estas categorias de persoas e existe o perigo de que poderes definidos de forma tan vaga sexan utilizados tamén de forma abusiva contra manifestantes ou outros opositores, o que violaria os artigos 10 e/ou 11 da  Convención.

 

Ler o artigo completo


ACCIÓNS DE ESPAZO ABERTO ANTIMILITAR
05/04/2010

"O pasado xoves 1 de abril ao mediodía, a auga do pequeno lago da Praza da Independencia foi tinguida de vermello para seguir denunciando a ocupación de Afganistán, así como a presenza de tropas españolas en conflitos internacionais.

Ademais disto nos arredores coláronse carteis explicativos sobre o conflito e a campaña." ainforma Espazo Aberto Antimilitar, que xa o pasado 10 de Marzo realizar unha acción similar nas ruas de Vigo no cadro de unha campaña contra a ocupación do Afeganistán e "e en xeral contra toda presencia de tropas españolas en conflitos internacionais."

Mais información sobre a campaña aqui.

Ler o artigo completo


LIBERDADE DE EXPRESIÓN
05/04/2010

"Semanas depois de que a guarda civil e o juiz viguês Pérez Mariño decretasse o fechamento do seu web (feito que acontece pola vez primeira na história da Galiza), a AMI está a organizar a difusom massiva do DVD, repartindo-o em centros de ensino e centros sociais.", informa Galiza Livre
A organización xuvenil recebeu unha nova denúncia da asociación Galicia Bilingue, que pretende que se proíba a proxección en sítuos públicos do vídeo Vilinguismo. No entanto, o vídeo foi proxectado en Compostela e a AMI anuncias novas proxeccións no mes de Abril na cidade de Lugo.
Mais información aqui.

Ler o artigo completo


REPATRIACIÓNS FORZADAS
05/04/2010

Organizacións de direitos humanos esixen unha investigación independente sobre a morte de un solicitante de asilo nixeriano que morreu ao ser deportado desde Suíza e o fin de todas as operación de repatriación.
O sexto voo de deportacións deste ano, programado para a tarde do dia 17 de Marzo con 16 persoas nixerianas a bordo, nunca chegou a decolar. Entre os presos estava Alex Uzowulu, de 29 anos, cuxa solicitude de asilo fora recusada.

"Segundo a polícia de Zurique", informa IPS, "Uzowulu negou-se a entrar no avião “e só embarcou forçado”. Um capacete foi colocado no nigeriano que também foi amarrado pelas pernas e braços. As autoridades informaram que “logo ele demonstrou problemas de saúde”. Foi solto, mas não pôde ser reanimado. O diretor do Escritório Federal para as Migrações, Alard du Boys-Reymond, que presenciou a deportação, disse à televisão Suíça que a polícia agiu profissionalmente.

No entanto, testemunhas acusam os agentes de agirem com brutalidade e “como animais”. Após a morte de Uzowulu, o escritório suspendeu novos voos especiais de repatriação. Uzowulu é a primeira vítima relacionada com deportações forçadas da Suíça nos últimos 11 anos. Em 1999, um palestino solicitante de asilo morreu asfixiado após ter sido amarrado e amordaçado com cintas. Dois anos depois, um nigeriano morreu depois de ser espremido contra o chão pelos policiais.

Uma primeira autopsia do Instituto de Medicina Forense da Universidade de Zurique não forneceu conclusões claras sobre a morte de Uzowulu. As autoridades reconheceram que ele estivera em greve de fome nos dias anteriores à sua deportação. Porém, seus companheiros de prisão disseram que o jovem se negava a ingerir alimentos há mais tempo. Para Du Boys-Reymond, o importante não é quando Uzowulu fez, ou não, greve de fome, mas que foi declarado em boas condições de saúde no dia de sua repatriação. Em geral, acrescentou, “somente pessoas saudáveis podem ser deportadas”.

Christoph Hugenschmidt acusou, em nome da organização defensora dos direitos humanos Augenauf, Du Boys-Reymond de hipócrita. “Temos dezenas de casos documentados, em que pessoas doentes ou pouco saudáveis foram repatriadas”, disse. A polícia informou que Uzowulu estava fichado como narcotraficante, mas Hugenschmidt respondeu que o nigeriano nunca fora condenado por um crime desses, e acusou as autoridades de calúnia e difamação.

A Suíça aderiu ao Acordo de Schengen sobre controle de fronteiras – que faz parte da legislação da União Europeia e inclui alguns terceiros países –, mas ainda não adotou suas disposições e, portanto, continua mantendo detidos solicitantes de asilo até por dois anos antes de serem repatriados. Cristina Anglet, da rede de solidariedade Solinetz, que visita regularmente pessoas detidas no aeroporto de Zurique que esperam pela repatriação, disse que, após a morte de Uzowulu, pelo menos dez outros presos iniciaram greve de fome. No dia 22 fiz uma visita. No quarto andar, onde havia africanos em sua maioria, quase todos recusaram as refeições. Além disso, soube de pessoas que faziam greve de fome no segundo andar”, afirmou.

Por seu lado, Hugenschmidt disse estar consternado pelos esforços das autoridades suíças no sentido de minimizar a situação. “Alguém poderia ter morrido pelas consequências da greve de fome”, disse. Várias organizações de direitos humanos, como Anistia Internacional, e partidos de esquerda exigem uma investigação independente sobre a morte de Uzowulu. Balthasar Glättli, secretário-geral da organização não governamental Solidarité Sans Frontiers (Solidariedade Sem Fronteiras), disse preferir que a investigação seja feita por um organismo internacional como o Comitê contra a Tortura, da Organização das Nações Unidas. Como país que aderiu ao Acordo de Schengen, a Suíça está obrigada a implementar a Diretriz de Regresso, pela qual deve ser criado um sistema efetivo de supervisão de repatriações até a primavera de 2011.

A Anistia exige que não seja feita nenhuma deportação forçada sem uma supervisão independente. Mesmo assim, Glättli se mostra cético. “Supervisionar só tem sentido se os observadores estão presentes durante todo o processo. É preferível que os deportados estejam acompanhados por advogados que possam representá-los e defendê-los”. Glättli afirmou que durante as repatriações forçadas, em geral os presos são algemados. “As autoridades toleram a morte de pessoas”, disse.

A organização de Glättli lamenta que o direito dos indivíduos à sua integridade física, e, portanto, à sua proteção diante de procedimentos de deportação potencialmente mortais, não seja considerado algo mais importante do que o desejo da Suíça de expulsar pessoas que estão ilegais em seu território."

Ler o artigo completo


ESTUDANTES MUSULMANOS NO PONTO DE MIRA
04/04/2010

Grupos musulmanos británicos mostraron a sua indignación despois de se coñecer que, a seguir o atentado de Detroit, os servizos de intelixéncia do Reino Unido entregaron à CIA dados persoais de case 1000 estudantes universitários musulmanos.

Ainda que de momento non hai detidos, denuncian que mais de 50 estudantes receberon xa a visita dos axentes de seguranza e alertan da posibilidade de que os seus nomes acaben figurando nas listas de terroristas internacionais.

No próprio parlamento houvo protestas pola forma en que o governo combate o terrorismo, “alienando as comunidades musulmanas”.
Mais información aqui.

Ler o artigo completo


EN REPRESÁLIA POR REVOLTA DA SEMANA PASADA
04/04/2010

"Vários familiares de reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra disseram que houve casos de agressões dentro da cadeia depois da revolta gerada na passada sexta-feira.

Esta manhã, à saída da penitenciária de Coimbra, uma jovem de 21 anos, do Porto, disse que o seu namorado “foi agredido até chegar à cela com cacetadas, murros e pontapés por guardas encapuzados”.

“Não pude estar com ele porque foi colocado de castigo, mas contou-me por telefone que tem os olhos, as costelas e os braços todos negros”, disse a jovem Lusa, relatando ainda que “foram muitos presos para o castigo e outros transferidos da cadeia”.

Segundo a rapariga, o namorado e outros detidos que “não tiveram tempo de entrar na cela”, quando estas fecharam foram os agredidos.

Também o cunhado de um outro detido, que veio do Porto, referiu que houve agressões e reclusos transferidos. “O meu cunhado contou-me que, depois da intervenção do Grupo de Intervenção dos Serviços Prisionais (GISP), houve agressões, com reclusos mal tratados e de castigo”, disse.

Estas versões contrariam a versão oficial do Ministério da Justiça que, nesta sexta-feira à tarde, disse que não houve actuação dos elementos do Grupo de Intervenção dos Serviços Prisionais que se deslocaram ao Estabelecimento Prisional de Coimbra, versão confirmada de novo esta sábado.

 “Os detidos mal souberam que eles estavam a chegar encaminharam-se para as celas e a confusão acabou aí”, disse a mesma fonte oficial do Ministério da Justiça, confirmando que os cabecilhas da revolta foram transferidos para outra cadeia e que outros participantes activos foram colocados em celas separadas até serem concluídas averiguações internas.

Mas os familiares dos reclusos queixaram-se também da “péssima alimentação” e das regras apertadas na entrada de comida naquele estabelecimento prisional.

“O meu companheiro tem muitas vezes que só come a sopa”, denunciou uma mulher de 44 anos, de Vila Praia de Âncora, lamentando ainda que os guardas usem os mesmos meios para “inspeccionar os sapatos e a comida que levamos”.

Outra fonte prisional disse à Lusa que a ementa tem motivado muitas críticas dos reclusos, que contestam a falta de qualidade e de variedade dos produtos.", informa esquerda.net.

Ler o artigo completo


AGRESION A AFEGANISTÁN
04/04/2010

"Pelo menos cinco soldados afegãos morreram quando as viaturas em que seguiam foram metralhadas pelos alemães que patrulham Kunduz.

A NATO confirmou em comunicado que a patrulha militar afegã seguia em duas viaturas e não respeitou a ordem dos soldados alemães para interromper a marcha. Os militares da NATO abriram fogo sobre os veículos e fizeram pelo menos cinco mortos, segundo a NATO, apesar do governador da província no norte do Afeganistão ter confirmado seis soldados afegãos mortos.

Os soldados da NATO envolvidos neste incidente estavam a caminho do local onde um tiroteio com insurgentes tinha provocado três mortos do lado das tropas alemãs.

Esta não é a primeira vez que a NATO mata por engano em Kunduz. Ainda em Fevereiro passado, doze civis foram alvo dos mísseis da Aliança Atlântica e poucos dias depois outro ataque aéreo vitimou sete polícias afegãos.

Mas o maior erro envolvendo as tropas alemãs no Afeganistão ocorreu em Setembro do ano passado, quando foi dada ordem para bombardear dois camiões cisterna desviados pelos talibã. Morreram cerca de centena e meia de pessoas, entre os quais muitos civis que pedem agora indemnizações à Alemanha. O ministro da Defesa alemão foi acusado de esconder informações sobre o número de vítimas civis antes das eleições, num caso que levou à demissão do chefe do Estado Maior das Forças Armadas e do secretário de Estado da Defesa em Novembro último.

A Alemanha tem o terceiro maior contingente militar na ocupação do Afeganistão, com 4300 soldados, a maioria na região de Kunduz. ", informa esquerda.net

Ler o artigo completo


OPACIDADE INFORMATIVA
04/04/2010

"Sábese canto e a onde, pero non a quen nin para que.Nos primeiros seis meses do 2009, España exportou material de defensa a case unha ducia de países considerados de risco, quer porque violan os dereitos humanos quer porque están inmersos nun conflito interno ou internacional. Marrocos, Colombia, Arabia Saudí, Turquía, Paquistán, Sri Lanka, Tailandia, Indonesia, Malasia, EEUU, Ghana e Guinea Conacri están nesa listaxe segundo Amnistía Internacional e as outras tres onegués –Fundació per la Pau, Greenpeace e Intermon Oxfam– que veñen de elaborar o contrainforme sobre a venda de material de defensa e duplo uso. A estes doce países exportamos no primeiro semestre do ano pasado 85,9 millóns en material de defensa e 9,94 en armas de caza ou tiro e as súas municións. É dicir, ao todo, un 20% do armamento exportado –dende unha bala a unha granada ou pistola – vai a países onde pode acabar sendo usado contra a poboación civil ou en guerras.

Para gañar a batalla da transparencia e o control na exportación de armamento, as catro onegués que monitorizan conxuntamente as exportación propuxeron en novembro do ano 2009 á Comisión de Defensa do Congreso unha batería de medidas. O 80% foron aceptadas. Tres meses despois, ningunha das propostas aparece recollida no novo informe publicado en febreiro polo Executivo Zapatero. “Non parece que o Goberno se estea a tomar en serio o Parlamento para que controle as asúas actividades no que atinxe á exportación de armas”, sinala Alberto Estévez, voceiro de Amnistía Internacional en Galicia e autor do contrainforme sobre a venda de armas a terceiros países.

Para comezar, porque os relatorios de exportación seguen sen especificar que tipo concreto de armamento se vende e a onde vai parar. “En Estados Unidos, a diferenza de aquí, non só se coñece con exactitude que tipo de armas se exportan e quen as vai empregar, senón que hai unha prohibición de vender aquelas que poidan acabar en mans de unidades que violen os dereitos humanos”, afirma Estévez. Como exemplo, sinala o embargo de armas durante os noventa dirixidas a unidades acusadas de connivencia cos paramilitares en asasinatos e secuestros en Colombia, a onde, por certo, España exportou no primeiro semestre do ano pasado un avión de transporte militar. “Se iso o fai o primeiro exportador do mundo, por que non aquí?”, pregúntase.

En segundo lugar os relatorios sobre exportacións demoran en facerse públicos. E iso supón un atranco para pedir a paralización de certos envíos. É o chamado control preventivo das exportacións. Sri Lanka exemplifica dramaticamente esa demora burocrática. En maio de 2009, en plena ofensiva gobernamental contra os rebeldes tamiles, que segundo fontes confidenciais da ONU citadas por The Times deixaron máis de 20.000 mortos, con atrocidades e violancións de dereitos por parte dos dous bandos, o Goberno español decidiu paralizar as exportacións. Porén, até ese mes, España vendera e este país xa 1,1 millóns de euros na categoría de ‘bombas, torpedos, foguetes e mísiles’. “O enfoque do Goberno español e reactivo e, xa que logo, erróneo”, matiza Estévez. “É o dos cadáveres enriba da mesa”. Porén, “que acontece con todo aquilo que se exportou previamente?”, cuestiónase.

Tampouco a trazabilidade das armas exportadas é unha medida que polo momento o Executivo vaia adoptar, malia tela aceptado o Congreso. No outono de 2009, as devanditas oenegués propuxeron que os agregados de defensa das embaixadas controlasen o destino das armas vendidas. É unha medida que EEUU aplicou, por exemplo, en Turquía, para asegurarse de que o armamento norteamericano non se empregaba para reprimir os kurdos. “Somos conscientes de que isto pode tardar algún tempo en poñerse en marcha, pero no último informe non hai nin sequera referencia a que se vaia adoptar esta medida”, láiase Estévez.

Con todo, o Goberno asegura que controla o destino final dalgunhas armas. Ás que van a Ghana, nomeadamente. Alí exportamos sobre todo “munición de caza”. Moita munición para un país tan pequeno. No primeiro semestre de 2009, o Executivo di que cero euros. Alfándegas retruca que case 3,5 millóns. Dende 2004, son case 15 millóns de euros en armamento. A onde van? Segundo a secretaría de Estado de Comercio Exterior non hai de que preocuparse porque parte desas armas acaban en Níxer ou Nixeria. No primeiro houbo un golpe de estado hai apenas tres meses. No segundo, graves enfrontamentos internos armados.

Guinea Conacri tampouco lle quita o sono ao Goberno. É outro deses países esquecidos de África, pero bos consumidores de munición española. Case un millón e medio de cartuchos de escopeta con destinatario 100% privado. En setembro, 150 persoas morreron cribadas a tiros no decorrer dunha manifestación contra a ditadura. Amnistía Internacional pregúntase qué medidas se tomaron para garantir que esta munición non acababa en mans da polícia. O Executivo, polo momento, dá a calada por resposta."

Fonte: www.xornal.com

Ler o artigo completo


Xefe do Estado do Vaticano non testemuñará en procesos de pedofilia
02/04/2010

"As tentativas por parte de advogados norte-americanos de colocar o Papa Bento XVI como testemunha nos vários processos de pedofilia no seio da Igreja foram rejeitadas esta quinta-feira por um jurista do Vaticano.
 
O Papa é acusado de estar ao corrente de vários casos e de ter tido acesso a documentos relacionados com abuso de crianças por parte de prelados católicos e de nada ter feito.
 
Este especialista em assuntos da Santa Sé afirmou que “está completamente fora de questão que o Papa testemunhe num processo, porque é o chefe do Estado do Vaticano. Seria como alguém na Índia processar o presidente dos Estados Unidos e esperar que este se deslocasse aos tribunais indianos. Quem diz Índia diz China ou Itália.”
 
O sucessivos casos denunciados em vários países levaram vários governos a designar responsáveis de comissões de investigação.
 
Na Áustria, o bispo de Viena, Christian Schoenborn, indicou Waltraud Klasnic para liderar o processo austríaco.
 
Após um encontro com a responsável, prometeu a verdade: “Já foi dito de forma clara – vamos ser transparentes, libertar a verdade e a palavra de Jesus vai ser o nosso princípio orientador. Naturalmente, vamo-nos manter neste caminho.”
 
Um caminho que o Papa Bento XVI parece não ter querido seguir, já que na homilia desta quinta-feira Santa não proferiu uma única palavra em relação aos casos de pedofilia, mantendo a tónica no crime que o aborto representa para sua Igreja.", informa Euronews.

Ler o artigo completo